Boa postura no ambiente de trabalho

Hoje começarei a tratar sobre a postura que o profissional deve ter em seu ambiente de trabalho, ou seja, a conduta, os preceitos, as atitudes e maneiras de pensar e agir que deve adotar nesse campo tão importante da vida de todas as pessoas.

Mas por que é tão importante manter uma boa postura no local onde trabalhamos? Porque a forma como nos comportamos ao nos relacionarmos com as outras pessoas repercute muito no ambiente que se forma ao nosso redor e no conceito que se vão formando ao nosso respeito. Conforme tratamos as pessoas somos considerados e respeitados.

Relações profissionais costumam se estender por longo prazo, especialmente aquelas com colegas de trabalho, sejam subordinados ou superiores. Na convivência diária, vão se tornando evidentes as afinidades e as divergências, o que faz com que nos identifiquemos mais com uns e menos com outros. Qualquer destas alternativas inspira cautela, pois de ambas podem produzir circunstâncias que resultem em problemas de convivência no ambiente de trabalho.

Uma destas circunstâncias é aquela em que, por excesso de familiaridade, relaxamos no trato, deixando de dedicar ao outro a atenção e o respeito costumeiros, primeiro em pequenos detalhes e, logo, em coisas mais significativas. É então que acontece o desgaste em relações outrora pautadas pelo respeito às formas elevadas de trato prescritas pelas boas maneiras. Conforme a gravidade do descuido cometido, o desrespeito a simples normas de convivência social pode comprometer seriamente o relacionamento profissional e causar danos difíceis de reparar ao ambiente de trabalho, chegando a gerar graves conflitos de longo prazo. O risco de que isso aconteça justifica manter certo grau de impessoalidade nos relacionamentos profissionais, especialmente dentro do ambiente de trabalho.

Outra circunstância que justifica manter a impessoalidade no ambiente de trabalho ou em outros ambientes onde se reúna um grupo de pessoas do nosso relacionamento pessoal, é não deixar muito evidentes as nossas preferências por uma ou outra pessoa em detrimento das demais, para evitar que esses últimos não se sintam preteridos. Esta circunstância pode gerar ressentimentos e criar muitos problemas em que as causas não ficam evidentes. Uma boa forma de não deixar evidentes as nossas preferência e afinidades é distribuir igual atenção a todos.

Uma terceira circunstância que também merece ser considerada é a informalidade no trato ao abolir os devidos títulos e deferências (Senhor, Senhora, Senhorita, Doutor, etc.) em respeito à hierarquia. Essa alternativa deve ser adotada apenas nos casos de empresas com características mais informais, como as agências de publicidade, e quando seja devidamente autorizada.

O excesso de familiaridade pode gerar muitos problemas no ambiente de trabalho, pois favorece o rompimento das fronteiras seguras da intimidade, da discrição, do respeito e da hierarquia. Para que a natureza dos relacionamentos profissionais seja preservada em sua forma ideal, evitando-se inúmeros conflitos, é conveniente manter tais formalidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva seu comentário ou pergunta.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Arquivo do Blog